Itália 2017, nova moeda de €2,00 – Tito Livio. Já disponível em Loja.

Portugal 2017, nova moeda de €7,50 – Carlos Lopes. Já disponível em Loja.
21 Novembro, 2017
Catálogo de Selos Postais de Portugal 2018
28 Novembro, 2017

Itália 2017, nova moeda de €2,00 – Tito Livio. Já disponível em Loja.

Itália 2017, nova moeda de €2,00 – Tito Livio. Já disponível em Loja.

Biografia

Tito Lívio nasceu em Patavium (atual Pádua), no ano de 59 a.C. De origem humilde, a base de sua educação foi o estudo de filosofia. Graças à sua competência profissional como escritor, adquiriu uma situação econômica confortável. Cresceu em meio às guerras civis que assolaram a Península Itálica antes e depois da morte de Júlio César, e que se encerraram com a vitória de Otávio, futuro imperador Augusto, na Batalha de Áccio (31 a.C.). Talvez esse tenha sido o motivo de Tito Lívio não ter estudado na Grécia, como era comum entre os romanos cultos. Estabeleceu-se em Roma no ano de 30 a.C. e, nesse lugar, adquiriu grande prestígio junto a Augusto, sendo nomeado preceptor do jovem Cláudio, futuro imperador. Apesar disso, manteve-se isolado da política e do círculo de literatos que rodeava o imperador e que incluía Virgílio, Horácio e Ovídio, e, graças a essa independência, pôde expressar suas próprias ideias. Faleceu em Pádua no ano de 17 d.C.

Tito Lívio escreveu primeiro algumas obras filosóficas, todas elas perdidas. Nos últimos quarenta anos de sua vida dedicou-se à narrativa da História de Roma, desde a sua fundação até o ano de 9 d.C. Essa obra, denominada Ab Urbe condita libri (Desde a fundação da cidade.), é composta por 142 livros, dos quais apenas 35 chegaram até nós. Foi uma realização impressionante em tamanho e abrangência, tornando-se posteriormente um clássico e influenciando a historiografia produzida até o século XVIII — grandes influências foram sentidas em Nicolau Maquiavel, Alexis de Tocqueville e Montesquieu. Para escrever sua obra, Tito Lívio recorreu a diversos textos escritos por historiadores anteriores, dos quais a maioria dos textos sobreviveu apenas em pequenos fragmentos. Contudo, em boa parte da quarta e quinta década de Tito Lívio (ou, seja, dos livros 30 até 45) podemos ver a utilização direta da obra do grego Políbio como fonte, o que nos permite fazer hoje comparações metodológicas importantes a respeito da forma de se escrever história no mundo antigo.

 

Fonte: Wikipedia

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *